10 de agosto de 2007

Trauma no Brasil

O Trauma, no Brasil, é a principal causa de óbito nas primeiras quatro décadas de vida, além disso, ocupamos o trágico 1º lugar (do mundo) em números de mortos por arma de fogo (SIM/MS, 2004). Esse panorama imprime um sério desafio para o país em termos sociais e econômicos.

Faz-se necessário saber que o trauma é um grande problema de saúde pública, acarretando um forte impacto na sociedade brasileira, principalmente em sua morbidade e mortalidade. É imprescindível discutir, analisar e propor soluções de imediato!

A doença trauma em nosso país passou a receber alguma atenção cerca de 20 anos atrás, entretanto, nossas propostas e soluções foram baseadas em realidades estrangeiras (EUA e França), não satisfazendo as exigências sociais demográficas, geográficas e econômicas que o Brasil apresenta. Complementando o quadro de total desinteresse brasileiro pelo trauma nossas estatísticas são escassas e falhas, impedindo uma análise real da carnificina brasileira.

Não obstante, o trauma não é tratado como doença por grande parte dos profissionais de saúde, sendo reduzido (seu tratamento) apenas ao atendimento no ambiente pré-hospitalar e hospitalar. O completo desconhecimento de outras etapas da assistência ao traumatizado, como, prevenção, reabilitação, re-inserção social e acompanhamento psicológico, demonstram que o sistema de atenção ao trauma é fragmentado, ineficiente e sem qualquer planejamento.

Faz-se necessário, mais uma vez, saber que trauma não é acidente! Trauma é uma doença, que tem epidemiologia, fisiopatologia, morbidade e mortalidade conhecidas. Seu tratamento é complexo e requer desse modo uma assistência muito distinta.

O Brasil precisa, mediante iniciativas do Estado, da sociedade médica e civil, atingir maturidade no que tange o tema trauma. Temos que nos aprofundar no estudo dessa horrorosa doença e buscar soluções concretas e possíveis. É indispensável à incorporação pela sociedade brasileira de uma cultura permanente e civilizatória de educação e prevenção do trauma.


(Por Paulo Pepulim)

3 comentários:

carla granja disse...

olá! é a primeira vez k entro no teu blog e gostei muito dos temas k aki têns abordado. é assim: eu sou portuguesa e vejo na tv , tenho amigos brasileiros e por acaso ontem tava na gelataria e tavam umas brasileiras e dava para ouvir a conversa delas e a mãe dizia para as filhas , como é bom tar em portugal,como é bom poder dormir com a janela aberta sem medo de ser assaltada. eu tmb durmo com a janela aberta. nao vou dizer k em portugal não ha assaltos ou gatunos , pois lógico k há , mas nada a ver com o k se vê aí do brasil,mas tmb temos de comparar o tamanho de portugal com o do brasil né. kuanto mais população mais perigo há em todos os sentidos. eu tmb tenho um blog com poemas feitos por mim se kiseres dá uma olhada.
http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt
bjo
e bom fim de semana.
carla granja

felipedocabo disse...

Fico muito feliz em poder encontrar na net um blogger de altíssimo nível como este relacionado ao Trauma no Brasil, visto que é um tema pouco abordado em livros e em literaturas especilizadas. Sou acadêmico de enfermagem do último período de graduação e vou utilizar alguns conteúdos valiosos encontrados neste blogger para a minha monografia que trata sobre a assistencia de enfermagem ao cliente politraumatizado em emergencia em um Hospital público de grande porte do Rio de Janeiro.
Tive a oportunidade de conhecer o Prof Paulo Pepulim em um de seus cursos Ministrados, o que me fez lhe admirar não somente como pessoa, mas também como um excelente profissional na área da saúde.

APH Tático Avançado disse...

Aproveitando o espaço, aproveito para em nome da comissão organizadora, pedir apoio, para ajudar e participar da divulgação e tambem da organização do I Congresso Brasileiro de Medicina Tática e Enfermagem Tática e I Simpósio Brasileiro de APH Tático. Que está sendo programado em Belo Horizonte MG.
Convido a todos os profissionais de saude e segurança pública a participarem deste evento, apresentando sugestões, trabalhos, posteres, matérias, artigos e imagens que possam vir a enriquecer esse evento e transforma-lo em uma referência nacional de Medicina Tática e Enfermagem Tática.
Grande Abraço a todos.